Expressões difíceis


youcanthaveyourcake

Adulto é criança que largou mão de colecionar escorpiões e cobras e agora enche a cabeça de expressões idiomáticas. Uma das mais preocupantes é: 

“You can’t have your cake and eat it too.”

Os campos de batalha estão cobertos dos escombros de tentativas, nenhuma delas, porém, cai como uma luva. E já vi tradutor mais capaz e experiente do que esse servo que vos fala abandonar o campo de batalha saltando por cima da dificuldade pelo expediente de fazer que nem viu. A abordagem Kierkegaardiana “das duas, uma,” não se estica o suficiente para cobrir o sentido.

Pior é outra:

“You can’t have your cake and let your neighbor eat it too.”

Essa aparece em A Revolta de Atlas.

Outra expressão preocupante é:

“Don’t count your chickens until they’re hatched.”

Os canadenses entendem perfeitamente que a galinha é a dona dos pintinhos que choca. E a expressão traduzida, “Não conte ovo dentro da galinha,” até que reproduz bem o sentido da 14ª Emenda da Constituição Americana. Reza o prolegômeno:

Todas as pessoas nascidas ou naturalizadas nos Estados Unidos, e sujeitas a sua jurisdição, são cidadãos dos Estados Unidos e do Estado onde tiver residência. Nenhum Estado poderá fazer ou executar leis restringindo os privilégios ou as imunidades dos cidadãos dos Estados Unidos; nem poderá privar qualquer pessoa de sua vida, liberdade, ou bens sem processo legal, ou negar a qualquer pessoa sob sua jurisdição a igual proteção das leis.

Mas nos EUA, nos países muçulmanos e onde quer que o misticismo influi nas leis, alistadores militares, sacerdotes, políticos e cabos eleitorais querem se apoderar do fruto do ventre alheio como se operassem uma granja. Agem como se coagir a reprodução alheia tivesse cabimento na ética, na lei ou no ditado “Não faça aos outros o que você não quer que seja feito a você.” Onde quase não há mulheres no governo, esse lema é pouco observado. O partido republicano dos EUA quer mudar as primeiras quatro palavras desta emenda. Isso consta do seu programa publicado.  E cumpre ter presente que alheia também se refere a outros países…

Veremos se as eleitoras continuarão a votar contra os seus próprios direitos individuais nas próximas eleições forçadas no Brasil e eleições nada verificáveis nos EUA. Agora que existe Partido Libertário lá e a possibilidade de algum dia haver disso no Brasil–sobretudo se o Partido Novo se dedicar aos verdadeiros direitos da pessoa individual–há de haver como mudar o quadro atual.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s