Patriot Act, 1913

First the Balkans, now U.S.-occupied Afghanistan!

See the original article…

Remember Serbia? It was Servia back when communist youths shot European politicians practically every month before World War One. But war in the Balkans did not begin in 1914. Only when China overthrew its imperial government in 1911 and halted British and German dumping of narcotics did the price glut destabilize prices, then politics, in that opium-farming region. That particular outbreak of European opium wars began in 1911. Newspapers at the time juxtaposed related articles and let readers draw their own correlations and conclusions.

Prohibition linked to War

Decriminalization instead of legalization circumvents government dependence on addictive dope

Here is a sample of an Enabling Act or Patriot Act enacted by the Serbian government. This was over a year before another communist youth shot yet another feather-bedecked Germanic militarist as ratifying signatures slowly accumulated on the Hague anti-opium convention.

Article 1. The police authorities are authorized, in case of a deficiency in the regular organization for securing the liberty and security of persons and property, to ask military commander for the troops necessary for the maintenance of order and tranquillity. The military commander is bound to comply immediately with these demands, and the police is bound to inform the Minister of the Interior of them.

Article 2. Any attempt at rebellion against the public powers is punishable by five years’ penal servitude.

The decision of the police authorities, published in the respective communes, is proof of the commission of crime.

If the rebel refuses to give himself up as prisoner within ten days from such publication, he may be put to death by any public or military officer.

Article 3. Any person accused of rebellion in terms of the police decision and who commits any crime shall be punished with death.
If the accused person himself gives himself up as a prisoner into the hands of authorities, the death penalty shall be commuted to penal servitude for ten or years, always provided that the commutation is approved by the tribunal.

Article 4. Where several cases of rebellion occur in a commune and the rebels do not return to their homes within ten days from the police notice, the authorities have the right of deporting their families whithersoever they may find convenient.
Likewise the inhabitants of the houses in which armed persons or criminals in general are found concealed, shall be deported.
The heads of the police shall transmit to the Prefecture a report on the deportation procedure, which is to be put in force immediately.
The Minister of the Interior shall, if he think desirable, rescind deportation measures.

Article 5. Any person deported by an order of the Prefecture who shall return to original domicile without the authorization of the Minister of the Interior shall be punished by three years’ imprisonment.

Article 6. If in any commune or any canton the maintenance of security demands the sending of troops, the maintenance of the latter shall be charged to the commune or the canton. In such a case the Prefect is to be notified.
If order is restored after a brief interval and the culprits taken, the Minister of the Interior may refund such expenses to the canton or the commune.
The Minister may act in this way as often as he may think desirable.

Article 7. Any person found carrying arms who has not in his possession a from the police or from the Prefect, or who shall hide arms in his house or elsewhere shall be condemned to a penalty varying from three months’ imprisonment to five years’ penal servitude.
Anyone selling arms or ammunition without a police permit shall be liable to the same penalty.

… and so on for another two pages. The lesson here is that economic dislocation–such as resulted from the George Bush Jr. asset-forfeiture crash or the religious terrorism the Bush Dynasty invited by the entangling shelling and bombing former Ottoman territory–results in even grosser initiation of force in a mystically mixed economy.

The initiation of harmful and deadly force sets in motion a feedback loop with forced oscillations. Voting Libertarian is the only effective way to counter these buildups, as the Kleptocracy parties are well aware. Why? Because LP.org candidates and partisans oppose the initiation of force for political or social reasons. No initiation of force means there is no pretext for violent retaliation.

Defeat doublethink and reality control
Orwellian interpreting and translations. Don’t miss out: foreign blog….

 

 

Advertisements

Duterte to replace Sessions

As usual, rumors are everywhere that El Presidente is about to fire or replace someone. And yet barely two centuries ago such rumors in Europe were about a ruler preparing to burn or behead someone. That’s Progress. But Beauregard Sessions is more than a reproach. The Alabama bigot was a return to George Wallace partisans keeping “dark people” in their place–much as satirized in Mr. Dooley and George Orwell’s “Burmese Days.” 

wallacems1972

“Our number’s up.** Best thing we can do is to shut up shop and let ’em stew in their own juice,” remarked Senator Grassley (R-IA).

“I don’t agree, I simply don’t agree,” Senatrix Feinstein replied. “We could put things right in a month if we chose. It only needs a pennyworth of pluck. Look at Amritsar. Look how they caved in after that. Dyer knew the stuff to give them. Poor old Dyer! That was a dirty job. Those cowards at the UN have got something to answer for.”

There was a kind of sigh from the others, the same sigh that a gathering of Roman Catholics will give at the mention of Bloody Mary. Even Mr Trump, who detested bloodshed and martial law, shook his head at the name of Dyer.

“Ah, poor man! Sacrificed to the liberals at the UN. Well, perhaps they will discover their mistake when it is too late.” “What about this fellow Duterte? Might he be a replacement for Mr. Magoo?”

** With apologies to Eric Arthur Blair–son of British Sub-Deputy Opium Agent Second-class, –and author of “Burmese Days.”

Ever need a translator for travel visas, immigration or contract interpreting?

The Valentine’s Day Massacre

Chapter 40

The Valentine’s Day Massacre

The electoral college had barely confirmed the election of the Hoover-Curtis dry fanaticism slate voted in 1928. There were still over two weeks to go until inauguration day which, back then, was on March 4th.

valentinemassacrect29

            Radio newscasters shocked the nation with the story of the Chicago Saint Valentine’s Day massacre in which five gangsters an optician and a mechanic were machine-gunned against a brick wall. The drys fell upon this with whoops of joy and redoubled their lobbying efforts for passage of a draconian enforcement bill introduced a year before by Congressman Gale Hamilton Stalker and Senator Wesley Livsey Jones.[1] What disturbed Chicagoans was the economic reaction; corn dropped 1 & 1/8 cents, and bank stocks likewise fell. All 7,000 saloons, speakeasies and beer flats in the city were immediately shut down, which effectively dried up a major source of income for that convention city. The dry autocracy sprang into action and Congress was besieged with heated demands that something be done immediately to enforce prohibition. Senator Glass, as always, resumed his railing against stock market gambling.[2]

Ferrari’s City Trust depositors, by now sick and tired of obfuscation, organized to demand what New York State feared most: answers.

Investigation of narcotics trial Judge Winslow now went to a House committee, and ailing Hollywood star Alma Rubens was humiliatingly exposed as a morphine addict. As icing on the cake, one John Sergi was arrested for the 14th time and charged with running a mail-order business in heroin.[3] All these stories broke Thursday, February 17, but none were as important as the other white powder connection.

 

[1] (NYT 3/24/29 27)

[2] (CT 2/17/29 1, III-8; 15) (WSJ 2/16/29 1) (NYT 2/17/29 1)

[3] (NYT 2/17/29 24; 2; 23)

 

 

Lysander Spooner, anarquista ou libertário? Fascículo 10

Continuação da crítica do Lysander Spooner, advogado antiescravagista horrorizado pelos resultados da invasão, pela União Alfandegária, dos Estados Separacionistas na esteira da Guerra da Secessão. Esta guerra, no Sul, se descrevia como a Invasão e também como a Guerra entre os Estados.

IV

A Constituição, além de não ter agora obrigatoriedade sobre pessoa alguma, nunca teve tal obrigatoriedade. Nunca comprometeu a ninguém, pois jamais foi convencionada de maneira que, de acordo com princípios gerais do direito e da razão, a fizesse vinculante sobre alguém.
É princípio geral do direito e da razão, que o instrumento escrito não compromete a ninguém, a menos que o tenha assinado. Tão inflexível este princípio, que apesar do cidadão não saber escrever seu nome, deve ainda “fazer sua marca”, antes que lhe passe a ter obrigatoriedade o contrato escrito. Esse costume foi estabelecido há séculos, numa era em que poucos homens sabiam escrever seu nome; quando o escrivão – isto é, a pessoa que soubesse ler e escrever – era raridade tão valiosa que mesmo culpado de delitos ou crimes graves, merecia clemência, isto porque o público não tinha condições de perder seus serviços. Mesmo naquela época, o contrato lavrado teria de ser assinado; e os que não sabiam escrever ou “faziam a sua marca”, ou assinavam com cunho na cera presa ao documento no qual estava assentado o contrato. Daí o costume de selar documentos, que continua até hoje.
Reza a lei, e declara a razão que, enquanto não for assinado o documento escrito, deve-se presumir que a parte para a qual seria obrigatória optou por não assiná-lo, deixando assim de se comprometer. Tanto o direito como a razão dão a ela o direito de decidir, até o último momento, se assina ou não. Nem o direito, nem a razão requer ou espera que o cidadão concorde com um instrumento até que este seja lavrado; pois a menos que esteja escrito, não tem ele como saber o seu significado jurídico exato. E quando estiver reduzido a termo, tendo o interessado aproveitado da oportunidade de se satisfazer quanto ao seu significado jurídico exato, aí sim, e não antes, espera-se que decida se quer ou não convencioná-lo. E se é que opte por não assiná-lo então, supõe-se que seu motivo seja que optou por não se comprometer com tal contrato. De nada vale o fato de ter sido o instrumento preparado para ser firmado por ele, ou na esperança de que ele o assinasse.
Imagine a fraude e o litígio se uma parte pudesse entrar em juízo com uma escritura desprovida de assinatura e insistir que a façam valer, arguindo que fora lavrada para que outro a assinasse? que havia prometido assiná-la? que devia tê-la assinado? que tivera a oportunidade de assiná-la, caso quisesse? mas que se recusou ou omitiu de fazê-lo. Porém nada além se pode dizer da Constituição.b Os próprios juízes, que professam derivar toda a sua autoridade da Constituição – de um instrumento jamais assinado por ninguém – desprezariam qualquer outro instrumento sem assinatura que lhes fosse apresentada para adjudicação.
De mais a mais, no direito e na razão, não basta o instrumento ter sido assinado, devendo também ser entregue à parte (ou procurador desta), pela qual foi lavrado, antes de que possa ser válido para a parte que o assinou. A assinatura não tem efeito algum a menos que o instrumento também seja protocolado. E a parte tem perfeita liberdade de se recusar a protocolar um instrumento escrito após tê-lo assinado. É tão plena esta liberdade de se recusar a entregá-la quanto a de se recusar a assiná-la. Além de a Constituição nunca ter sido assinada por ninguém, ela também nunca foi entregue por ninguém, tampouco a procurador ou agente de pessoa alguma. Não tem como ter mais valia, portanto, que qualquer outro instrumento que jamais foi assinado ou entregue.
(Continua na Parte V…)

Lysander Spooner, anarquista ou libertário? Fascículo 5

Conclusão do argumento de Spooner que a votação nos EUA (ainda voluntária, só que com voto cada vez mais secreto após a Guerra da Secessão) nada prova sobre a aceitação da constituição pelo eleitor. A 14ª Emenda já era familiar e a 15ª – garantindo o voto, inclusive aos ex-escravos – ainda era novidade. Segue o 1º parágrafo da 14ª, a segunda das três Emendas da era da Reconstrução: 

  1. Todas as pessoas nascidas ou naturalizadas nos Estados Unidos, e sujeitas a sua jurisdição, são cidadãs dos Estados Unidos e do Estado onde tiver residência. Nenhum Estado poderá fazer ou executar leis restringindo os privilégios ou as imunidades dos cidadãos dos Estados Unidos; nem poderá privar qualquer pessoa de sua vida, liberdade, ou bens sem processo legal, ou negar a qualquer pessoa sob sua jurisdição a igual proteção das leis. (…)

–Voltando ao Spooner, advogado antiescravagista, conclusão da Parte II, votação.

Pelo leque de motivos aqui exposto, a votação não oferece evidência jurídica alguma sobre quais os indivíduos (existindo algum), que apoiam livremente a Constituição. A votação portanto não apresenta evidência legal alguma de que haja quem a apoie voluntariamente.

No que diz respeito à votação, a Constituição, na perspectiva jurídica, não conta com o apoio de ninguém.

A bem da verdade, não há a mínima probabilidade de que exista, em todo o país, um único partidário legítimo da Constituição. Vale dizer, não há a mínima probabilidade de que exista um ser humano no país que entende o que realmente representa essa Constituição e que a apoie com sinceridade pelo que realmente é.

Os ostensivos partidários da Constituição, como os supostos partidários da maioria dos governos, se decompõem em três categorias, viz.: 1. Tratantes, classe numerosa e ativa essa, que percebe no governo instrumento para seu próprio enaltecimento ou para se enriquecer. 2. Otários – grande categoria, sem dúvida – cada um desses, por ser permitido uma voz em milhões na decisão sobre o que pode fazer com sua própria pessoa e propriedade, e por ser permitido a mesma voz no assalto, apresamento e assassinato de outras pessoas que estas têm em assaltar, escravizar e apresá-lo, é parvo o suficiente para imaginar que seja “um homem livre”, “soberano” nos direitos; que seja este um “país livre”; um “governo dos direitos iguais”, “o melhor governo que existe” e outros disparates. 3. Uma classe dos que têm alguma apreciação das maldades dos governos, porém não sabem como se ver livre, ou optam por não sacrificar seus interesses particulares de modo a se dar, de maneira engajada e séria, ao trabalho de fazer as mudanças.

(Fim da parte II, continua na Parte III)

Necessitando de um tradutor ou intérprete jurídico com longa experiência no ramo, entre em contato.

Lysander Spooner, anarquista ou libertário? Fascículo 4

O fato de se exercer o voto, muitos diziam, é prova da aceitação dos impostos e imposições afins.  Spooner questionava essa presunção. (Continuação…)

Portanto a votação do indivíduo sob o regime da Constituição dos Estados Unidos não se deve tomar por evidência de que este já aceitou a Constituição por livre vontade, mesmo que provisoriamente. E consequentemente não dispomos de prova alguma de que grande fatia dos atuais eleitores dos Estados Unidos realmente aceitam, por arbítrio, a Constituição mesmo que provisoriamente. E nem haveremos de ter a tal prova até que todo homem esteja em plena liberdade para consentir ou não sem expor a si e a sua propriedade a injúria ou importunação.

Posto que não há como obtermos conhecimento jurídico de quem opta por votar e quem o faz por imposição, não há como obtermos conhecimento jurídico a respeito de pessoa alguma, de que teria votado por livre e espontânea vontade; ou, consequentemente, tampouco que, pelo voto, deu consentimento a ou se comprometeu a apoiar o governo. Na forma da lei, portanto, o ato de votar é totalmente deficiente na questão de comprometer pessoa alguma a prestar apoio ao governo. Não prova de jeito nenhum que o governo tenha alicerce no apoio de quem quer que seja. Com base nos princípios gerais do direito e da razão, não se pode afirmar que existam partidários voluntários do governo, a não ser que se possa demonstrar com clareza exatamente quais os que o apoiam por livre e espontânea vontade.

  1. Uma vez que a tributação é lançada compulsoriamente sobre todos, quer votem, quer não, grande proporção dos que votam decerto o fazem para impedir que seu dinheiro seja utilizado para prejudicá-los; pois, se absteriam alegremente da votação se assim pudessem se ver livres apenas da tributação, sem falar em se livrarem de todas as demais usurpações e tiranias do governo. Tomar a propriedade do indivíduo sem o seu consentimento, para depois presumir seu consentimento ‑‑por ter ele esperneado, mediante a votação, para impedir que seus bens fossem utilizados de forma lesiva aos seus interesses‑‑, é uma prova muito deficiente de consentimento em apoiar a Constituição. Na verdade não constitui prova alguma. E já que não temos conhecimento jurídico quanto às identidades das pessoas, se é que existem algumas, dispostas a serem taxadas pelo sufrágio, não temos como descobrir que este ou aquele indivíduo consente em ser cobrado por causa do sufrágio; ou, por conseguinte, que consente em apoiar a Constituição.
  2. Em quase todas as eleições, lançam-se votos para vários candidatos ao mesmo posto. Aos que votaram pelos candidatos que perderam não se pode atribuir que votaram pela Constituição. Seria mais válido supor que votassem, não para apoiar a Constituição, mas exatamente para se opor à tirania que esperam que o candidato vencedor há de praticar sobre eles sob a bandeira da mesma, podendo-se supor, com muita razão, terem eles votado contra a própria Constituição. Esta suposição seria a mais razoável justamente porque a tal votação é a única via que lhes é permitida para manifestar sua oposição à Constituição.
  3. São dados muitos votos a candidatos que não têm perspectiva alguma de se saírem bem. Dos que lançam esses votos, é válido supor que votaram conforme fizeram não em apoio, mas sim para obstruir a execução da Constituição; e portanto, contra a mesma.
  4. Posto que todos os votos são dados em segredo, (por voto secreto), não há como descobrir, apenas pelos votos, quem vota a favor e quem vota contra a Constituição. A votação, portanto, não proporciona evidência jurídica alguma de que essa ou aquela pessoa apoie à Constituição. E quando não pode existir evidência jurídica alguma de que determinado indivíduo apoia a Constituição, não se pode dizer, na forma da lei, que há quem a apoie. É evidentemente impossível que se tenha prova legal das intenções de grande número de homens enquanto não há prova legítima das intenções de nenhuma pessoa específica dentre eles.
  5. Inexistindo prova legítima das intenções com as quais a pessoa vota, resta-nos apenas fazer suposições a respeito. Como conjetura, seria provável que grande proporção dos que votam a faz pelo seguinte princípio, viz., que se, pelo voto, pudessem eles colher em suas mãos (ou nas de seus amigos) as rédeas do poder, e utilizá-lo contra os seus adversários, ficariam então dispostos a apoiar a Constituição; mas se coubesse aos seus adversários deter o poder e utilizá-lo contra eles, então não teriam disposição alguma a apoiar a Constituição.

Resumindo, o apoio voluntário das indivíduos à Constituição sem dúvida depende, na maioria dos casos, na questão de poderem eles, através da Constituição, se tornarem feitores ou virarem escravos.

Consentimento tão contingente assim seria, no direito e na razão, consentimento nenhum.

  1. Uma vez que cada um que, pelo voto, apoia a Constituição (existindo algum) o faz em segredo (pelo voto secreto) e de maneira a se esquivar de toda responsabilidade pelos atos praticados por seus agentes ou representantes, não se pode dizer, no direito ou na razão que há pessoa sequer que apoie a Constituição ao votar. De ninguém se pode dizer, com juízo ou de forma legal, que consente ou presta apoio à Constituição, a menos que o faça abertamente, de forma a se responsabilizar pessoalmente pelas ações de seus agentes, desde que estes, ao agirem, respeitem os limites do poder que por aquele é-lhes atribuído.
  2. Uma vez que toda a votação é secreta (pelo voto secreto), é lógico que todo governo secreto não passa de um bando secreto de assaltantes, tiranos e assassinos, cujo intento é de roubar, escravizar e, conforme necessário para seus fins, assassinar o resto do povo. O simples fato da existência de tal bando não conduz de forma alguma à conclusão de que “o povo dos Estados Unidos,” ou qualquer um dentre eles, apoie a Constituição por vontade própria.
    (continua…)

Lysander Spooner, anarquista ou libertário? Fascículo 3 Parte II

Spooner examina por quais atos o cidadão poderia consentir com a autoridade do governo americano no tempo da Guerra da Secessão, da alta nas sobretaxas alfandegárias, e da primeira aplicação do imposto de renda publicado no Manifesto Comunista de 1848, item 2. 

II

          Consideremos separadamente então estas duas questões, a da votação e a do pagamento dos impostos.

Toda a votação que já se fez sob a Constituição vem sendo da sorte que, além de não comprometer o povo como um todo a apoiar a Constituição, nem mesmo obrigou a pessoa alguma que o fizesse, como demonstram as seguintes considerações.

  1. Pela natureza das coisas, o ato de votar não teria como constranger a ninguém à exceção dos próprios eleitores. Mas em vista dos requerimentos fundiários para tal habilitação,[1] é provável que ao longo dos primeiros vinte ou trinta anos da Constituição, não mais de uma décima, décima-quinta ou talvez vigésima parte da população total (branca e negra, homens, mulheres e crianças) fosse permitida a exercer o voto. Por conseguinte, no que toca à votação, não mais de uma décima, décima-quinta ou talvez vigésima parte da população total existente à época teria como incorrer em obrigação alguma de apoiar a Constituição.2
  2. Hoje,3 é provável que a não mais que uma sexta parte da população seja permitido o sufrágio. Consequentemente, no que toca à votação, os outros oitenta e três porcento não teriam como incorrer na obrigação de apoiar a Constituição.

Da sexta parte permitida a votar, uns dois terços no máximo (quiçá onze porcento da população) têm, de praxe, exercido o voto. Muitos nunca votaram. Outros tantos votam uma vez a cada dois, três, cinco ou dez anos, em épocas de grande fervilhamento.

Não se pode dizer que pessoa alguma, ao votar, se compromete por prazo superior ao mandato pelo qual crava. Se eu, por exemplo, votar por um oficial cujo mandato seria de um ano, não há como dizer que eu tenha com isso me comprometido a apoiar o governo além deste prazo. Com base portanto, na votação, não haveria como se afirmar que mais de uma nona ou oitava parte da população total teria, de praxe, compromisso algum de apoiar a Constituição.4

  1. Não se pode dizer que, ao votar, a pessoa se compromete a apoiar a Constituição a menos que o ato de votar seja perfeitamente voluntário de sua parte. Mas não se pode chamar de voluntária a votação da parte de grande proporção dos que o exercem. É mais a medida da necessidade que outros lhe impõem. Neste tópico repito o que foi dito em um número anterior, viz.:

“De fato, no caso do indivíduo, a sua votação não se interpretaria como prova de consentimento, mesmo que provisório. Muito pelo contrário. Seria de se considerar que, sem ser consultado, o indivíduo se vê cerceado por um governo ao qual não tem como resistir; um governo que o força a pagar dinheiro, prestar serviço, e desistir do exercício de muitos dos seus direitos naturais, sob pena de oprimentes punições. Percebe também que outros exercem sobre ele esta tirania mediante o voto. Enxerga aínda que, se lançar mão ele mesmo do voto, terá alguma chance de se livrar desta tirania alheia, sujeitando os demais à dele. Resumindo, se acha, a contragosto, em situação tal que valendo-se do voto, tornar-se-ia feitor; não o fazendo, vira escravo. E das duas, uma, pois alternativas não há. Em defesa própria, aposta na primeira. Seu caso é análogo ao do cidadão alistado à batalha, onde ou se mata ou é morto. Isso porque quando, para se salvar na batalha, o homem peleja para liquidar aos adversários, não se pode concluir que a batalha seja de sua escolha. Tampouco no pleito com a cédula—mero substituto pela bala—pois, se quando da única opção para se preservar, o indivíduo cravasse a cédula, significaria que o pleito fosse algo do qual participasse por voluntariedade, que espontaneamente arriscasse pôr em jogo todos os seus direitos naturais, contra os direitos alheios, para perder ou ganhá-los por pura força de números. Pelo contrário, seria de se supor que, no aperto ao qual fora coagido por terceiros, inexistindo outra possibilidade de autodefesa, haveria, por necessidade, de se valer da única possibilidade restante

“Mesmo o mais miserável dos homens, no jugo do mais opressivo governo do mundo, usaria, se permitido, do voto se enxergasse naquilo alguma chance de assim melhorar a sua situação. Mas não seria legítima a ilação de que esse governo que o esmaga seria um que ergueria por arbítrio próprio ou do qual consentisse.

(Continua…)

[1]  Na épocam as mulheres e indigentes não podiam votar, e hoje nenhum americano é obrigado a dar o voto.

2   Em 1824, votaram 350.000 de uma população de 11.000.000

3   14% da população votou em 1868

4   Verdadeiro à época, mas o sufrágio feminino dobrou o número.