Escombros Olímpicos


Nas profecias dos interessados, dos seus amiguinhos empreiteiros–e da sua mídia apadrinhada antes das olimpíadas–tudo seria feito abaixo do orçamento e bem dentro do prazo, sem goteiras, infiltração, pane elétrico…

Foi o que disseram na Grécia e antes dos jogos em Sarajevo. Mas como toda profecia ou promessa de político com a mão no dinheiro alheio, só a conjugação nos tempos futuros é bonita. Olhando para trás, a trapaça transparece nos escombros  e piadas nada olímpicas.

Segundo a reportagem na revista Reason Magazine, há esparramado pelo mundo monumentos à inocência de eleitores nas mãos dos partidos saqueadores e da sua mídia fantoche.

E para que servem as olimpíadas? Em 1936 serviram de propaganda para o Reich nazifascista, que exportava o amor pelo altruísmo nacional socialista, sacrifício e dever, e ódio pela plutocracia da iniciativa privada, com a sua liberdade e felicidade. Hoje o novo Reich é o estado nacional socialista na pessoa do congresso e senado americanos, mais uma vez vez reforçados pelo coletivismo racial do klã proibicionista de cruzes ardentes.

Segundo o proibicionismo do atual congresso americano, dominado por políticos que querem proibir até as pílulas anticoncepcionais, treinar respirando o ar nas alturas de Quito, Lima ou La Paz é “doping”. Observe na tevê que todos os “experts” que acusam os atletas russos são americanos, polichinelos dessa estirpe ideológica. Após 72 anos escravizados pelo socialismo internacional, os russos, finalmente democratizados, hoje se deparam com novas mutações do antigo fanatismo místico e nacionalsocialista.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s